Brasil registra redução em taxa de doação de leite materno

De janeiro a abril deste ano, houve redução de 5% no número de doadoras em relação ao mesmo período de 2019. Neste ano, diante do momento de emergência pública que o país enfrenta, até o momento, por conta do coronavírus, a orientação do Ministério da Saúde é que mulheres saudáveis continuem doando leite, mesmo que o pote não esteja cheio.

Cada pote de leite humano pode ajudar até 10 recém-nascidos. É importante tomar alguns cuidados, como: somente doar se estiver saudável, verificar nos postos de coleta e bancos de leite humano a necessidade de agendamento para evitar aglomerações e seguir as orientações para coleta segura. Caso a mulher tenha sintomas de gripe ou morar com alguém que apresente esses sintomas, deverá suspender a doação nesse período.

O Brasil possui 224 Bancos de Leite Humano e, ainda, 217 postos de coleta, além da coleta domiciliar em alguns estados. As possíveis doadoras podem obter mais informações pelo site saude.gov.br/doacaodeleite ou pelo telefone 136.

POR QUE DOAR?

Bebês prematuros ou de baixo peso (menos de 2,5 kg) precisam do leite materno para se recuperarem mais rápido e crescerem mais fortes e saudáveis. Durante todo o ano de 2019, apenas 222 mil litros de leite humano foram coletados. Deste total, foram distribuídos 165 mil litros, beneficiando 214 mil recém-nascidos, a partir da doação de 188 mil mulheres. No entanto, no Brasil, por ano, cerca de 330 mil crianças nascem prematuras e precisam da doação de leite, já que permanecem sendo assistidas nos hospitais e maternidades. Os bebês prematuros representam, em média, 11% do total de crianças que nascem anualmente, em torno de 3 milhões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *